Para falar conosco, envie um email para: contato@psicanalitico.com

Acompanhe nossas redes sociais

  • Instagram - Cinza Círculo
  • Facebook - círculo cinza

Marcio Garrit

Opinião: o que é isso que todo mundo tem?

Não é de hoje que muitos formadores de opinião vem se dedicando a estudar as transformações sociais, principalmente após as mudanças radicais proporcionadas pela tecnologia. Leia mais.

Cláudia Moraes

Dever de casa: a agonia de todo dia

Quem nunca viveu a agonia da resistência de crianças diante do dever de casa, que pegue um copo de água bem fresquinho e relaxe, pois de alguma maneira esbarrará com isso. Leia mais

Marcio Garrit

Fazer análise: será que eu preciso?

A OMS informa que nós no Brasil temos o título de ser o país com o maior número de pessoas acometidas com ansiedade no mundo e o quinto lugar em transtornos depressivos. Leia mais.

UM ATO DE COVARDIA: FALEMOS SOBRE AS VÍTIMAS

Por Cláudia Moraes

Até hoje, indignação é o sentimento expresso por quem comenta a situação acontecida no dia 18/12/20182 . Uma criança de seis anos é agredida por dois adultos. O fato poderia ser considerado apenas como mais um, afinal atos violentos tornaram-se frequentes, corriqueiros na nossa sociedade. Ficamos indignados, talvez ainda haja esperança para nós.

PORQUE PSICANÁLISE?

Por Márcio Garrit

Há mais de um século, mais precisamente em 1900, nascia a psicanálise com seu livro célebre chamado: A interpretação dos sonhos2 . Freud, seu criador, começa a se interessar pela mente humana de uma forma diferenciada das dos demais de sua época. Poderíamos dizer que o mesmo estava mais interessado pela subjetividade de nossa existência. Inicia-se então, uma investigação que não cessa até os dias de hoje: desejos, fantasias, sexualidade infantil, sonhos, inconsciente e etc.

RELACIONAMENTOS ABUSIVOS: POR QUE ISSO É TÃO CORRIQUEIRO?

Por Márcio Garrit

Falar sobre relacionamentos abusivos não é uma tarefa fácil. Acredito que o tema gera uma série de paradoxos e esbarra em questões muito íntimas que não seria recomendável generalizar aqui. Cada sujeito sente a vida diferente e assim se entrelaça em suas questões éticas e morais de forma única. Tratar isso como muito se vê por ai: “os sete passos” para a solução de algo, seria vulgarizar um assunto que vem gerando, no mínimo, traumas e marcas físicas irreparáveis.

A CRISE DA CERTEZA E A NECESSIDADE DA RESPOSTA

Por Márcio Garrit

Há mais de um século, mais precisamente em 1900, nascia a psicanálise com seu livro célebre chamado: A interpretação dos sonhos. Freud, seu criador, começa a se interessar pela mente humana de uma forma diferenciada das dos demais de sua época. Poderíamos dizer que o mesmo estava mais interessado pela subjetividade de nossa existência. Inicia-se então, uma investigação que não cessa até os dias de hoje: desejos, fantasias, sexualidade infantil, sonhos, inconsciente e etc.

SEXUALIDADE: POR QUE MINHA ORIENTAÇÃO TE INCOMODA?

Por Márcio Garrit

Não é novidade para ninguém que o sexo é algo extremamente polêmico há muito tempo. É só tocar nesse assunto que a maioria das pessoas se sente desconfortável. 

O OUTONO EM CADA UM DE NÓS

Por Cláudia Moraes

Não é de hoje que a questão do tempo nos atravessa e nos desafia a detê-lo. Na verdade, nós o desafiamos, travamos uma batalha externa, buscando tipos diversos de tratamentos, cremes com toda sorte de componentes, naturais, industrializados, receitas caseiras, produtos importados, enfim, a lista é grande, tudo o que for possível e necessário para que o espelho diga que o tempo está muito ocupado e esqueceu de fazer marcas visíveis em nós. Por outro lado, outra grande batalha, acontece dentro de nós: afinal, o quê estivemos fazendo que não percebemos que o tempo aconteceu? Onde estávamos ocupados com o quê? Que sentido demos para esse caminhar na vida com o gosto do envelhecimento?

QUERIDA PROFESSORA ONDE ESTÁ VOCÊ?

Por Cláudia Moraes

Todos nós, mesmo aqueles que não frequentaram a escola, tem uma professora, um professor de quem nos lembramos. São figuras que de uma forma ou de outra nos atravessaram de alguma maneira, e que deixaram resquícios seus em nós. Eu me lembro da minha professora da Classe de Alfabetização e de tantas outras, eu me lembro de pessoas. Professores são pessoas; amados, odiados, inspiradores, inesquecíveis, são pessoas.

SORRIR PARA O QUÊ: A POESIA DE CADA UM DE NÓS

Por Cláudia Moraes

Em um tempo em que a desesperança ronda todos os lares, todos os espaços públicos e privados, praças externas e grutas mais do que internas em nosso ser, ouvimos aqui e ali a seguinte pergunta: Pra quê continuar? Pra quê sorrir se nada vai melhorar? Sim ainda temos os otimistas, os bravos guerreiros com suas armaduras cintilantes envoltas por um perfume estilo “jamais vou desistir” que bradam na sua rotina, no metrô lotado, nas horas de espera nos pontos de ônibus que chegarão sim, sem ar condicionado e baratas bailarinas que entendem que os bancos e assoalhos dos coletivos são palco para sua performance. Se por um lado torcemos para chover para refrescar um pouquinho nossos dias de calor intenso, por outro imploramos que não, pois certamente choverá dentro do ônibus. Pois é, então pra quê sorrir, por que sorrir?

OBESIDADE INFANTIL: O QUÊ PESA NA BALANÇA?

Por Cláudia Moraes

Quem de nós em algum momento da nossa vida não se abriu em sorrisos, contagiados pela fofurice de bochechas encantadoras, seja na nossa família, nos coletivos, nas pracinhas, em todo lugar? Achamos lindo e a vontade imediata é de apertar as lindas bochechas, a criança toda. Mal sabemos que essas fofuras, já podem estar sofrendo de obesidade um mal crônico no Brasil.